O balanço patrimonial é uma das principais demonstrações contábeis de uma empresa. Ele apresenta informações que podem auxiliar os gestores no árduo processo de tomada de decisões empresariais.

Mas você ainda tem dúvidas sobre como fazer balanço patrimonial? Aproveite para tirá-las aqui, neste post. Vamos lá!

O que é o balanço patrimonial

O balanço patrimonial é uma demonstração contábil de elaboração obrigatória para todas as empresas. Essa obrigação é prevista na Lei 6.404, de 1976, conhecida como Lei das Sociedades Anônimas e suas alterações. Ele apresenta de maneira organizada os bens, os direitos e as obrigações de uma instituição em determinada data.

Esses bens são apresentados de maneira lógica, partindo dos bens e direitos, dos que possuem maior liquidez. Ou seja, a maior probabilidade de se transformar em caixa ou equivalentes de caixa até os que possuem menor liquidez, que é o caso dos ativos intangíveis.

No caso das obrigações, são apresentadas de acordo com o nível de exigibilidade que elas possuem, que é a possibilidade de um terceiro cobrar o pagamento. Para isso, existem duas classificações: curto prazo e longo prazo.

Por fim, o patrimônio líquido é o último conjunto de itens apresentados no balanço patrimonial, representando o real valor de uma instituição. Quando se diz que determinada empresa tem um valor específico, a referência é o valor do patrimônio líquido e não o valor total apenas dos ativos. Matematicamente, o patrimônio líquido representa o total de bens e direitos menos o total das obrigações.

Para que serve o balanço patrimonial

O balanço patrimonial, por apresentar os valores de cada item que compõe o patrimônio de uma empresa, apresenta a situação financeira da instituição. Com os valores nele constantes, é possível realizar a análise financeira de uma empresa e tomar decisões de caráter financeiro.

É possível, por exemplo, saber quanto uma organização tem de valores disponíveis no caixa ou de equivalentes de caixa. Mas não é possível saber quanto ela realizou de venda em determinado período. Essa informação está disponível na Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), que também faz parte do conjunto de demonstrações contábeis obrigatórias.

Os estoques são evidenciados em seus valores financeiros, servindo de base, por exemplo, para a definição dos valores mínimos a serem mantidos, além de coordenarem as estratégias de compra de maneira mais eficiente.

Embora o balanço patrimonial apresente a situação financeira de uma instituição, não é possível analisar a situação econômica, já que apenas prejuízos acumulados são registrados no patrimônio líquido. Os lucros obtidos são destinados de maneira específica para a composição patrimonial. Esse detalhamento da situação econômica encontra-se na DRE.

Como fazer balanço patrimonial

Para a elaboração do balanço patrimonial, muitas informações de caráter financeiro devem ser consolidadas. Todas as compras, vendas, aquisições de maquinário, de estoques, pagamentos diversos, resultados da produção, integralização de capital, etc.

Tudo deve ser considerado, desde que tenha afetado a estrutura financeira de maneira direta. Um acordo com um novo fornecedor, embora seja algo importante para uma empresa, não gera impacto imediato no balanço patrimonial por não alterar a estrutura financeira. Somente em momento futuro é que as compras serão realizadas, por exemplo.

Qual a estrutura do balanço patrimonial

O balanço patrimonial possui uma estrutura que deve ser seguida por todas as empresas. Isso tem um objetivo bem simples, que é permitir que todas as organizações, não importando o seu tamanho nem localização geográfica, possam ter as informações comparadas entre si por meio de índices econômico-financeiros.

Da mesma forma, a uniformização da estrutura do balanço patrimonial permite o aumento do nível de qualidade das informações geradas, pois os profissionais da contabilidade estarão aptos para elaborar a demonstração em qualquer tipo de empresa.

Do lado do ativo há duas grandes estruturas, que são o ativo circulante e o ativo não circulante. O primeiro apresenta os bens e direitos realizáveis no curto prazo subdivididos em disponibilidades, que são os caixas e os equivalentes de caixa, os direitos de curto prazo, os estoques e as despesas antecipadas.

Já o ativo não circulante é subdividido em direitos de longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível. Os valores estão dispostos ao lado esquerdo da estrutura do balanço patrimonial.

Passando para o lado direito, há o passivo e o patrimônio líquido. O passivo também possui dois grupos, o circulante e o não circulante. Só que, nesse caso, as obrigações são apresentadas de acordo com a exigibilidade. As dívidas de curto prazo estão no passivo circulante e as de longo prazo, no passivo não circulante. No caso do passivo, não há subdivisão adicional como ocorre no ativo.

Por fim, a estrutura do balanço patrimonial é finalizada pelo patrimônio líquido, composto pelos valores de capital social realizado e a realizar, os valores de reservas, que podem ser de lucros ou de capital, os ajustes de avaliação patrimonial, ligados a operações cambiais, entre outras operações que precisam ser controladas de maneira adicional.

Também há os valores das ações em tesouraria, quando forem recompradas pela sociedade anônima e os prejuízos acumulados. É importante salientar que os valores de lucros acumulados foram extintos por uma atualização da Lei das Sociedades Anônimas.

Tal atualização obrigou as empresas a definir o que seria feito com os resultados positivos obtidos. Eles podem ser distribuídos aos sócios, podem ser destinados à reserva de capital ou podem ser integralizados na forma de capital social adicional.

Análise e exigências do balanço patrimonial

As análises que podem ser realizadas com o balanço patrimonial são consequência da sua correta elaboração e, além de cumprir a legislação, saber como fazer balanço patrimonial é importante para a longevidade da vida financeira de qualquer empresa.

Dependendo do tamanho e da atividade da instituição em questão, a auditoria independente pode se tornar obrigatória, demandando o trabalho de membros externos à empresa para validar as informações geradas no balanço patrimonial.

Normalmente, as maiores empresas necessitam desse tipo de serviço, além daquelas que estão na Bolsa de Valores, mas mais importante do que saber como fazer balanço patrimonial é saber analisá-lo e retirar todas as informações relativas à estrutura patrimonial de uma empresa.

E, se você quiser saber mais informações sobre o mundo empresarial, além de poder acessar outras importantes para o seu negócio, curta a nossa página no Facebook!


Você também pode gostar

Receba conteúdos sobre
gestão fiscal por e-mail!

Tenha total controle sobre as NFe e CTe emitidas contra sua empresa

Imagem ilustrativa do sistema da ConexãoNF-e